sexta-feira, 13 de janeiro de 2012

Rancho Folclórico de Torres Novas mostra vivacidade aos 54 anos

A comemoração dos 54 anos do aniversário do Rancho Folclórico de Torres Novas foi ao encontro do público, na Praça 5 de Outubro, no domingo, dia 8. Para a festa foi convidada o grupo de Coral da Meia Via, que se associou à festa, interpretando vários temas da música ligeira portuguesa. Para o final ficou a actuação do Rancho, que embora curta, foi do agrado do muito público que se avolumou na sala de visitas da cidade.
Depois da actuação, que foi muito aplaudida e que animou por um bom bocado a Praça 5 de Outubro, as comemorações tiveram continuidade na sede do Rancho, na Quinta das Lezírias. Ali foram homenageados os componentes com 5, 20 e 30 anos de colaboração com o Rancho, tendo sido, por isso, muito aplaudidos quando foram agraciados com uma medalha alusiva ao momento.
Joaquim Granata, o Presidente da Direcção do Rancho, no discurso que a ocasião pedia realçou a entrega de medalhas de 20 e 30 anos a componentes do rancho, sublinhando que estas ilustram a dedicação que é dedicada ao Rancho de Torres Novas, o que considerou ser salutar. Depois disse sentir-se orgulhoso em poder comemorar os 54 anos, percurso que foi vivido com alegria e dificuldades. Depois, como que lançando a “escada” para pedir apoio, lembrou que o futuro «não se anuncia próspero» num ano que só parece trazer dificuldades. Entende que apesar das dificuldades que o país atravessa não se pode deixar cair os braços, pedindo que todos se unissem em torno do Rancho, para que o futuro possa ser melhor. Fez questão ainda de agradecer publicamente ao Grupo de Cantares da Meia Via, que participou gratuitamente na festa, bem como à Câmara pela logística e montagem do palco, aproveitando para pedir a Pedro Ferreira, o vice-presidente da Câmara, que «olhasse para o Rancho» para que este possa continuar a desempenhar o seu papel de dinamizador cultural, até porque em breve vai-se realizar o Festival de Folclore de Torres Novas e o apoio da Câmara ao evento será fundamental para que este se possa realizar nas melhores condições. Rematou a sua intervenção agradecendo ainda às juntas de freguesia da cidade, componentes, à Renova, e alguns componentes e amigos do Rancho.



Luís Miguel Lopes (in. oalmonda.net)

sábado, 15 de outubro de 2011

Rancho Folclórico de Torres Novas homenageou Rogério Neto


   Foi uma noite cheia de emoção e com muitas lágrimas provocadas pela saudade, mas também muitas palmas, aquela em que o Rancho Folclórico de Torres Novas prestou uma homenagem póstuma a Rogério Neto, antigo componente do Rancho, que faleceu no ano passado.
   Neste dia 8 de Outubro, o presidente da Comissão Administrativa do Rancho Folclórico de Torres Novas, Joaquim Granata, mentor e responsável por esta homenagem, referiu-se a Rogério Neto como um homem “com grande capacidade de trabalho e de grande humildade demonstradas nos trinta anos que dedicou ao Rancho Folclórico”.
   “Quando era jovem, na altura em que o Rancho não tinha sede, trouxe o Rancho para a Praça 5 de Outubro, onde dançou à chuva, para que a Câmara lhe desse uma sede, e conseguiu o seu objectivo. Só por este feito já merecia uma homenagem”, acrescentou Joaquim Granata.
   O jantar que abriu esta cerimónia contou com casa cheia no Salão de S. Pedro e nele participaram grande número de antigos componentes do rancho.


Célia Ramos in O Almonda

quarta-feira, 17 de agosto de 2011

Rancho Folclórico de Torres Novas anima a Cidade



Enquanto dezenas de aldeias do concelho de Torres Novas realizam as tradicionais Festas de Verão, também o Rancho Folclórico de Torres Novas organizou uma animada Festa Popular no Centro Histórico de Torres Novas, graças à localização priveligiada da sua sede. A animação musical pertenceu a Paula Ribeiro e War Pigs, no dia 5 de Agosto, e a Vic James e Soturax, no dia 6 de Agosto. Embora a afluência na noite de Sexta-Feira tenha sido maior do que na noite de Sábado, o presidente do Rancho,Joaquim Granata, agradeceu as aclamadas exibições dos vários grupos que permitiram prolongar a festa ao longo da noite.
A grande dinamização do Rancho surge após a tomada de posse da nova direcção, que pretende contrariar o espírito de dependência de subsídios para manter actividade. Joaquim Granata considera que apesar da boa localização na cidade, a sede acaba por ficar um pouco escondida, mas que apesar disso as expectativas foram superadas.
As recentes iniciativas da colectividade têm conseguido uma boa afluência, o que motiva a equipa de voluntários a continuar a trabalhar. Segundo Joaquim Granata o Rancho Folclórico de Torres Novas encontrava-se bastante mal financeiramente e as actividades dos últimos dois meses (presença nas Festas da Cidade e Festival de Sopas) já permitiram equilibrar o estado financeiro da colectividade.




João Rodrigues in O Almonda.
http://oalmonda.net/?p=7120

quarta-feira, 20 de julho de 2011

XXXIII Festival de Folclore de Torres Novas



Integrado nas Festas do Almonda realizou-se, como já é habitual, no passado Sábado, dia 02 de Julho, o XXXIII Festival de Folclore de Torres Novas organizado pelo Rancho Folclórico desta cidade.

Joaquim Granata, actual presidente da colectividade, na recepção aos grupos participantes, agradeceu a presença de todos reforçando ainda que “os torrejanos devem apoiar ainda mais esta colectividade. Não só porlevar o nome da nossa terra e região mais além, como pelo respeito que esta instituição merece, pois conta com mais de meio século de idade.” Nessa mesma recepção a vereadora da cultura, Dr.ª Manuel Pinheiro e o presidente de Junta de Freguesia de Salvador, Dr. Manuel Armando, felicitaram e apoiaram mais uma vez o Rancho Folclórico e o seu actual presidente, Joaquim Granata, pelasiniciativas e o trabalho desenvolvido desde a sua tomada de posse, em especial a angariação de fundos para a sustentação e realização das actividades do rancho. Também namesa estavam presentes o representante da Federação doFolclore Português, Sr. Rafael Évora e o Componente Fundador, Sr. Carlos Ribeiro, que agradeceram o convite que lhes foi feito para estarem presentes neste evento tão especial.
Após a recepção, os grupos dirigiram-se à Escola Práticada Policia para jantar, que se disponibilizou para este efeito, à semelhança de anos anteriores. Finalizada a refeição, realizou-se o desfile dos grupos folclóricos pela avenida principal da cidade, até chegar ao palco, tão bem plantado no Jardim das Rosas.
Pelas 21h iniciou-se o tão desejado e tradicional Festival de Folcloreda nossa cidade, que contou com a presença da Madrinha do Rancho, Sr.ª Cristina Alves Vieira, felicitando oselementos do grupo pela sua prestação.
O rancho anfitrião deu início ao festival e não desiludiu.Como sempre o público torrejano e visitantes que encheram o recinto, prestaram uma ruidosa homenagem às danças e cantares do Rancho Folclórico de Torres Novas com um maior destaque para o Fandango, sempre tão desejado pelo público. No festival participaram ainda o Grupo de Danças e Cantares de Vale Domingos, o Rancho Folclórico da Casa do Povo de Briteiros e o Rancho Típico de Paleão. Não é difícil perceber, pela enchente que acorreu ao Jardim das Rosas nesta noite que este Festival de Folclore é já um marco e um atractivo no cartaz das Festas do Almonda.
Prespectiva do Palco com o Grupo de Danças e Cantares de Vale de Domingos
"Fandango" com o Rancho Folclórico de Torres Novas
Bailando o "Passo Largo" com o Rancho Folclórico de Torres Novas
"Brilhante" actuação do Grupo Folclórico daCasa do Povo de Briteiros
Actuação do tão prestigiado Rancho Típico de Paleão
Tiago Amado in "O Almonda"

segunda-feira, 11 de julho de 2011

"Nostalgia do Camponês"



"(...) Então, enquanto fumava o meu charuto, estranhamente se apossaramde mim os sentimentos que Jacinto outroraexprimentara no meio da Natureza, e que tanto me divertiram. Ali, à porta do café, entre a indiferença e a pressa da Cidade, também eu senti, como ele no campo, a vaga tristeza da minha fragilidade e da minha solidão. Bem, certamente estava ali como perdido num mundo,que não era fraternal. Quem me conhecia? Quem se interessaria por Zé Fernandes? Se eu sentisse fome, e o confessasse, ninguém me daria metadde do seu pão. Por mais aflitamente que a minha facce revelasse uma angústia, ninguém na sua pressa pararia parame consolar. De que me serviriam também as excelências da alma, que só na alma florescem? Se eu fosse um santo, aquela turba não se importaria com a minha santidade; e se eu abrisse os braços e gritasse, ali no Boulevard - «ó homens, meus irmãos!» os homens mais ferozes que o lobo ante o Pobrezinho de Assis, ririam e passariam indiferentes. (...)"


Eça de Queirós, A cidade e as Serras


"O Rancho Folclórico de Torres Novas, fundado a 8 de Janeiro de 1958, apresentou, nesse mesmo ano, pela primeira vez os seus trajes, danças e cantares na Feira do Ribatejo em Santarém. (...)" Considerada a estreia oficial do nosso grupo, graças ao Homem que sempre se ligou ao Ribatejo e que "Criou" a tão conhecida Feira do Ribatejo, de seu nome Celestino Graça.


"...Torres Novas, importante vila de outrora, foi elevada a Cidade no ano de 1985. Localizada na província do Ribatejo, foram feitas recolhas de Norte a Sul deste concelho, onde o Bairro, a Charneca e a Lezíria se confrontam. A norte para o qual estamos voltados, o Bairro reina com a Beleza, a Harmonia e as cores pardas que contrastam com a alegria e as cores vivas da gente rural...."

O Rancho de Torres Novas centrou o seu trabalho de pesquisa de norte a sul do concelho, excluindo a zona este do mesmo. Precorrendo as seguintes loaclidades: Pedrógão, Zibreira, Alquideidão, Alcorochel, Parceiros de S. João, Chancelaria, Carvalhal da Aroeira, Liteiros, Assentiz, Lapas, Carvalhal do Pombo, Casal da Pinheira, Ribeira Branca, Casais Martanes e claro Torres Novas. Não foi recolhida qualquer tipo de referência em Riachos por respeito ao Rancho local que se formara no naquele ano.



"Como principais danças, destacavam-se os Fadinhos, Verde Gaios, Valsa e Moda a Dois Passos, Fados, Bailaricos e claro, os Fandangos. Os Trajes representam, fielmente, as vestes das gentes de Torres Novas dos finais do século XIX e inícios do século XX, onde as cores e temperamentos distintos se aliavam num só." Todas estas danças e cantares foram recolhidos naquele ano de 1958, como todos os Torrejanos sabem na dita "capital" do Folclore do nosso grupo, a aldeia de Casais Martanes. Pois foi nesse ano que um "velhinho" de seu nome Tí Zé Henriques e sua mulher a Tí Luiza... Dois humanos maravilhosos que ensinaram aos nossos jovens fundadores todas as modas que se lembram de ver as suas mães dançar.



"Somos assim, sócio fundador da Federação do Folclore Português, membro da Associação de Defesa de Folclore da Região dos Templários e membro efectivo da INATEL.
Como tal, é com orgulho que revelamos que o Rancho Folclórico de Torres Novas é um justo representante do Folclore Torrejano e do Ribatejo."


Comissão Administrativa 2011

sábado, 18 de junho de 2011

"I Festival de Sopas do Rancho Folclórico de Torres Novas"

No passado dia 10 de Junho o Rancho Folclórico de Torres Novas organizou pela primeira vez um festival de variadissimas sopas. Tudo isto com o objectivo de angariação de fundos desta colectividade, para que possamos sustentar o nosso XXXIII Festival de Folclore de Torres Novas.
Assim, tivemos o apoio de restaurantes da nossa cidade que ofereceram 13 maravilhosas sopas. E ainda agradedendo às Paróquias Torrejanas, pela cedência de espaço onde decorreu o nosso Festival de Sopas.
O evento contou com a presença de muitos amigos que quiseram de certa forma, passar este feriado connosco e ajudar esta colectividade que conta com mais de 50 anos.
A tarde foi de muita animação contando com a actuação do Rancho Folclórico de Torres Novas.

A todos os que colaboraram, à sua maneira para que o evento fosse um sucesso, um muito Obrigado.


A Comissão Administrativa 2011

sábado, 18 de dezembro de 2010

Lançamento Livro "Rancho Folclórico de Torres Novas - Memorial" 1958 - 2008



Rancho Folclórico de Torres Novas – Memorial – 1958-2008” é a

mais recente edição municipal, apresentada na tarde fria do dia 4 de Dezembro, na Biblioteca Municipal Gustavo Pinto Lopes. Cinquenta e dois anos passados desde a sua fundação, num trajecto pautado pela simplicidade e rigor o Rancho Folclórico de Torres Novas apresenta-se sob a forma literária num memorial dos seus primeiros 50 anos.

O livro, da autoria de Carlos Ribeiro (um dos antigos componentes e fundadores) e Ana Marques, do Gabinete de Estudos e Planeamento Editorial da Câmara Municipal descreve com precisão as primeiras cinco décadas do rancho de Torres Novas, fundado a 8 de Janeiro de 1958, onde se recordam os nomes dos componentes, os seus corpos sociais, as principais actuações, e se tem o rigor de identificar as fontes, os nomes e as fotografias das pessoas que deram a conhecer como eram as danças e cantares de antigamente.

Coube a João Carlos Lopes, do mesmo Gabinete de Estudos e Planeamento Editorial da Câmara Municipal fazer a apresentação desta publicação que nas suas palavras se justifica pela “antiguidade, persistências e coragem do rancho folclórico de Torres Novas em continuar a representar os valores da identidade torrejana”.

João Carlos Lopes prossegue: “O Rancho de Torres Novas teve um período áureo na década de 60, mas viveu momentos difíceis durante as décadas de 70 e 80” no entanto “esta colectividade teve sempre um percurso digno e limpo, assumindo-se sempre na sua simplicidade de representação pura da realidade encontrada nos finais dos anos 50, nas aldeias do concelho”, afirmou João Carlos Lopes que sublinhou a importância da introdução desta obra feita por Ana Marques, cujo texto “é de referência” ficando-se a saber “como foi fundado o Rancho de Torres Novas, e a explicação de toda a história alusiva à sua formação”.

Simplicidade porque representamos o povo e o povo era simples, modesto e humilde. E assim mesmo que tem de ser o Rancho” afirmou Carlos Ribeiro que acompanhou o nascer do Rancho Folclórico. “Ao longo destes cinquenta anos, fui anotando as direcções, as passagens por festivais e os que partiram para sempre. Com este livro é possível perceber como os ranchos aparecem, como de se desenvolveram e quem os ajudou”, destacou Carlos Ribeiro, percebendo-se assim, o rigor das datas e locais inventariados num livro onde abundam as imagens que atestam e recordam momentos importantes destas cinco décadas de vida.

Célia Ramos


In. http://oalmonda.net/?p=5967

domingo, 3 de outubro de 2010

Assembleia Geral - RFTN 2010

Convocatória

Nos termos do disposto na alínea a) e b) do Artigo 36º dos Estatutos do Rancho Folclórico de Torres Novas, convoco a Assembleia Geral para reunião ordinária no próximo dia 08 de Outubro de 2010 pelas 20h30, na sala de ensaio da Sede do Rancho Folclórico de Torres Novas, com a seguinte ORDEM DE TRABALHOS:

a) Eleição dos Corpos Gerentes.

b) Apreciação, discussão e votação do relatório de contas, propostas da Direcção e parecer do Concelho Fiscal referente ao exercício de 2009/2010.

Os interessados nos Corpos Gerentes deverão entregar as suas candidaturas até ao inicio da Assembleia-Geral ao Presidente da mesma ou entrar em contacto com o mesmo através do número 96 74 23 499.

NOTA: Nos termos do disposto no número 1 do Artigo 37º dos Estatutos do Rancho Folclórico de Torres Novas, a reunião terá inicio meia hora depois, caso à hora marcada não estiver presentes pelo menos 50% dos Associados.

Torres Novas, 27 de Setembro de 2010

A Presidência da Assembleia Geral do Rancho Folclórico de Torres Novas

quinta-feira, 19 de agosto de 2010

I Convívio de Pesca Desportiva | RFTN


O Rancho Folclórico de Torres Novas, organizou pela primeira vez um convivio de pesca, no nosso Rio Almonda. Este realizou-se no passado 05 de Setembro do corrente ano.
O Sorteio do evento teve inicio às 07h00 em frenteao edificio dos Correios. O Almoço decorreu na nossa sede, situado na margem sul do Rio na Quinta da Lezíria, junto ao Jardim das Rosas.
A ementa, como não podia deixar de ter sido importante, foi um bom caldo verde e uma feijoada. Todos os participantes tiveram, depois do almoço, direito a uma lembrança deste evento de grande sucesso.
O primeiro lugar ficou ocupado por um Alfacinha, Joaquim Caria. Este pescador pescou 3,600kg de peixe. (Pesca à francesa).

A direcção do Rancho ficou surpreendida pelo enorme sucesso que se fez sentir por parte de todos os pescadores. Isto porque na entrega das lembranças ainda se ouviu pela sala "Façam mais!", isto leva a que tenhámos força para lutar mais e mais.

A TODOS OS PARTICIPANTES E AJUDANTES, UM OBRIGADO!



Rancho Folclórico de Torres Novas

segunda-feira, 5 de julho de 2010

XXXII Festival de Folclore de Torres Novas


O XXXII Festival de Folclore de Torres Novas decorreu no passado Sábado dia 03 de Julho de 2010.
Contou com a presença do Rancho Folclórico de Torres Novas - Ribatejo | Rancho Folclórico e Etnográfico das Terras de Santa Maria - Rio Meão | Grupo Etnográfico de Esmoriz | Grupo Folclórico de Danças e Cantares do Fial | Rancho Folclórico e Etnográfico "Os Peneireiros" de Martinchel.
Os grupos ao chegarem à Cidade, visitaram a nossa sede onde os componentes de cada grupo aproveitaram para se refrescar com bebidas frescas.
Pelas 19h realizou-se o Jantar na Escola Prática da Policia, à qual agradecemos a sua colaboração e disponibilidade.
E por fim, o momento esperado, a realização do XXXII Festival de Folclore de Torres Novas que o local se deparou mais uma vez com uma assistência de cerca de um milhar de pessoas.

A todos o colaboradores e público, um grande obrigado!
Rancho Folclórico de Torres Novas - Ribatejo

quinta-feira, 17 de junho de 2010

Festa de St.º António - Torres Novas


O Rancho Folclórico de Torres Novas dançou e encantou, no passado Domingo dia 13 de Junho na Festa em honra ao Padroeiro da Cidade.

O Rancho da Cidade começou por fazer um pequeno desfile pela Rua de Santo António até à Capela do antigo Convento de Santo António, já inexistente. Foi então que pelas 20h o Rancho Folclórico de Torres Novas iniciou o seu espectáculo percorrendo ao longo das danças a maioria das Freguesias Torrejanas, demonstrando assim a riqueza e a variedade do Folclore do nosso concelho.

Foi sem dúvida um óptimo espectáculo que Torres Novas e os Torrejanos presenciaram para grande orgulho da Terra que é, Torres Novas.





Rancho Folclórico de Torres Novas | 2010

quinta-feira, 4 de fevereiro de 2010

Folcloristas Preparam Formação Superior


Curso de Pós-Graduação em Património, Etnografia e Folclore avança no Instituto Superior de Gestão de Tomar.

sábado, 23 de janeiro de 2010

sábado, 2 de janeiro de 2010

52º Aniversário do RFTN


O Rancho Folclórico de Torres Novas, fundado a 08 de Janeiro de 1958. Festejou o seu 52º aniversário no Domingo, 10 de Janeiro de 2010.
Com o apoio de várias instituições, das quais desde já agradecemos, realizou-se a festa na sede do Rancho (Quinta da Lezíria).
A comemoração teve ínicio pelas 16H contando com vários convidados especiais e surpresas.
Obrigado, a quem acreditou nesta associação, da qual conta com 52 anos de existência!

Aos Componentes e Associados, Muito Obrigado!
Rancho Folclórico de Torres Novas

video

domingo, 25 de outubro de 2009

Eleições de novos Órgãos Sociais 2009



No passado dia 23 de Outubro de 2009, foram elegidos novos órgãos sociais (Direcção) para poder assim asegurar a continuação deste Grupo.




Informações da Lista, brevemente....

Admissões ao Grupo!

Caros Amigos, O Rancho Folclórico de Torres vai iniciar a próxima temporada já em Outubro! Com o início da temporada vão igualmente abrir admissões ao grupo, assim, quem gostar de dançar, conhecer Portugal de lés-a-lés, História e estiver interessado em fazer parte do grupo pode ir assistir aos ensaios que se realizam às Sextas-Feiras pelas 21h30 na Quinta da Lezíria (Junto ao Choral Phydellius/Jardim das Rosas) ou entrar em contacto connosco respondendo a esta mensagem enviando um e-mail para rftorresnovas@gmail.com Não deixem morrer esta instituição que conta com mais de 50 anos! Ficamos à espera do vosso contacto. Porque o Folclore é o orgulho em representar os nossos antepassados, neste caso, Torrejanos.
Saudações confiantes,
P'lo Rancho Folclórico de Torres Novas

Reserva Natural do Paúl do Boquilobo



Situado no concelho de Torres Novas, a cerca de 8 kms da mesma , a Reserva Natural do Paúl do Boquilobo é uma planície aluvial de pântanos e zonas húmidas, em que a vida depende do volume dos caudais dos Rios Tejo e Almonda que a circundam. A paisagem é marcada por uma imensa teia de canais cobertos por diversas plantas aquáticas e pelos salgueiros que crescem nas suas margens, onde as pequenas garças brancas (símbolo do Parque) fazem os ninhos. Trata-se da maior colónia de garças da Península Ibérica que acorre a esta área protegida a partir de Fevereiro/Março para nidificar e permanece durante o verão.




Impressionante pelo silêncio e tranquilidade, o Paul de Boquilobo é um excelente local para observação das diversas aves migratórias que por aqui passam nas várias épocas do ano. Mas não só as garças se podem aqui encontrar. São cerca de 200 as espécies de aves, na sua maioria aquáticas que procuram o Paul do Boquilobo, justamente declarado Reserva da Biosfera pela UNESCO para sua protecção. Dentro da área de Reserva Natural não existe população residente, mas na região que a envolve e que beneficia da sua humidade os terrenos férteis são propícios para a agricultura e oferecem boas pastagens para a criação de gado. É frequente encontrarem-se na área protegida manadas de cavalos que se alimentam nos prados ou simplesmente passeiam.




Para fazer a sua visita sugerimos que contacte previamente a Sede da Reserva pois nas épocas de nidificação o acesso a alguns locais poderá estar condicionado. Também organiza visitas guiadas mas indicará o percurso pedestre a seguir se o quiser fazer sozinho.

quarta-feira, 14 de outubro de 2009

24º Feira Nacional dos Frutos Secos '09



A Feira Nacional dos Frutos Secos, em Torres Novas, visa promover os produtos locais e regionais, com destaque para os frutos secos e passados, onde não faltará a doçaria, artesãos a trabalhar ao vivo, animação musical e tasquinhas. O certame terá lugar de 3 a 11 de Outubro, no pavilhão de exposições da Nersant. Este ano, realiza-se a XXIV Feira Nacional dos Frutos Secos em simultâneo com a XVIII Feira Internacional e VII Feira do Figo Preto de Torres Novas, um produto que já foi a principal fonte de rendimento do concelho. Os expositores presentes englobam diversos ramos de actividade como frutos secos, cestaria, olaria, bijutaria, restauro, rendas e bordados, trapologia, madeira, vitrais, doçaria, vinhos, licores, venda de artigos para o lar, entre outros. No espaço exterior haverá divertimentos populares onde não faltam os carros de choque, pistas infantis e alguns expositores de artesanato e maquinaria agrícola.

(Imprensa Local)

sexta-feira, 25 de setembro de 2009

Uma Componente Especial

Durante esta época de 2009, o Rancho Folclórico de Torres Novas recebeu uma jovem belga, Stefanie Boavida Torrado.

Filha de um português e de uma belga, Stefanie escolheu Portugal para poder vir assim, fazer voluntariado, mais própriamente em Alcanena, mas foi a bela Cidade de Torres Novas que escolheu para 'morar', temporáriamente.

Foi assim que no mês de Março Stefanie nos bateu à porta querendo ingressar no grupo, aprendendo melhor os nossos custumes e cultura.

Stefanie deslocou-se com o Rancho Folclórico de Torres Novas de lés-a-lés de Portugal percorrendo enumeras regiões portuguesas, conhecendo assim o nosso país. Também teve a oportunidade de participar no nosso XXXI Festival de Folclore Nacional de Torres Novas.

Mas Stefanie teve que regressar à sua terra Natal, deixando uma enorme saudade a todo o nosso Rancho.


Obrigado pela oportunidade, Stefanie!
Rancho Foclórico de Torres Novas

XXXI Festival Nacional de Folclore em Torres Novas - Festas do Almonda '09


Chegaram de três pontos do país, os ranchos que participaram no XXXI Festival de Folclore de Torres Novas, que decorreu no sábado, dia 4 de Julho, promovido pelo grupo local e integrado, como é hábito, nas Festas do Almonda. O rancho de Torres Novas representou o nosso Ribatejo e da Beira Baixa de Portugal chegaram os usos e costumes de Batalha e ainda de Montargil - Alentejo. O encontro deu-se no largo do Teatro Virgínia, o ”quartel general” de toda a actividade relacionada com o festival de folclore. Aí chegaram, aí se vestiram, aí cantaram e dançaram, de aí partiram em desfile até ao jardim das rosas e aí se despiram para apanhar de volta o transporte que os levaria às localidades que em Torres Novas representaram. Chegaram às 18 horas e partiram por volta da meia-noite. Fizeram 100 quilómetros para actuar durante 20 minutos, apenas pelo gosto de mostrar ao mundo o que está nas raízes do seu povo. E ainda pagaram por isso.

A Escola Prática da Polícia serviu o jantar e pouco depois das 21 horas, teve início o desfile dos grupos pela avenida, rumo ao jardim das rosas, onde apresentaram o seu trabalho. A plateia estava composta e nem o vento afastou os verdadeiros apreciadores dos espectáculos folclóricos, do recinto das festas. Terminadas as actuações, os ranchos foram partindo, um a um, rumo às terras de origem. O tempo em Torres Novas foi pouco para conhecer a cidade ou desfrutar do ambiente de festa. Domingo era dia de trabalho para alguns, depois de um dia cansativo e da longa viagem que ainda faltava fazer para chegar a casa. Faltou também o tempo para o convívio entre grupos. Os horários são apertados e o tempo é curto. Os visitantes vieram e voltaram sem conhecer Torres Novas ou os torrejanos. Podem dizer, nas terras onde vivem, que aqui actuaram, mas não sabem dizer muito mais.

XXXI Festival de Folclore de Torres Novas '09








Rancho Folclórico de Torres Novas